Bot Emotet ataca Active Directory e pode levar a ramsonware

O malware Emotet, que circulou no começo do ano infectando computadores e servidores em todo o mundo, voltou a ser ativado pelo grupo “Mummy Spider”- por trás dos ataques. O malware espalha três grandes botnets por meio de campanhas de phishing que podem rapidamente infectar o Active Directory, da Microsoft, usando ataques de força bruta. O código malicioso pode ser um meio, também para ataques de ransomware.  

“A única forma de coibir esse tipo de ação é rastreando rotinas de comportamento de usuários, e utilizando modelos preditivos que possam rastrear a identificar a ação do Emotet na rede, em e-mails, proxy e arquivos de sistemas. A ação dos criminosos costuma ser rápida e as perdas grandes. Com a LGPD, agora, as empresas serão cada vez mais responsabilizadas por vazamentos e roubos de informações sensíveis”, alerta Carlos Rodrigues, vice-presidente da Varonis para América Latina.  

O Emotet é um malware que surgiu em 2014 como um banking trojan, e evoluiu para se tornar um distribuidor de outros malwares ou campanhas maliciosas. Uma vez instalado na vítima, o código passa a disparar campanhas de spam para roubar dados bancários e se espalhar dentro das redes. São mensagens de cunho sensacionalista, ou falsas informações indispensáveis à vítima, com anexos em Word ou URL vinculados a downloads. Na hora em que o usuário faz o download, o Emotet é instalado. 

Perigo à espreita 

O problema é que o Emotet – até pela sua idade e circulação—utiliza anos de contatos já capturados anteriormente e endereços de e-mails que vêm sido obtidos e armazenados muito antes de qualquer sinal de invasão. Quando o usuário recebe o phishing, a engenharia social garante que o usuário permita que o vírus se instale. 

Outro problema é que o Emotet é invisível aos filtros de email e qualquer tipo de proteção endpoint, elevando o risco de que sua detecção aconteça tarde demais.  

“O Emotet vai simular o comportamento de um usuário normal, conectando-se e baixando as informações. O código também emula ação do usuário rodando comandos e a única maneira de controlar isso é desabilitando o PowerShell, ou criando políticas de acesso bem restritas”.  

“Mas se mesmo com todas estas medidas preventivas a empresa detectar a invasão=, é preciso imediatamente isolar o sistema infectado, mantendo a rede offline, enquanto o departamento responsável tentará impedir o comprometimento de outros programas e sistemas e investigará o evento”, recomenda o executivo.