Os riscos dos testes genéticos

É animador viver em um mundo em que os testes genéticos são tão acessíveis. O que antes era uma prática restrita a médicos e cientistas, agora pode ser facilmente feita por cidadãos comuns, basta pegar o telefone, pagar pelos exames, fornecer uma amostra de saliva e esperar pelos resultados em algumas semanas.

No entanto, há uma série de preocupações relacionadas à segurança e à privacidade dos dados. Conheça o que está tirando o sono dos pesquisadores:

Riscos com dados genéticos

Dados genéticos são o que há de mais pessoal e não podem ser alterados. Caso haja uma violação de dados, por exemplo, o indivíduo fica exposto definitivamente. Não é como a senha do Facebook, que basta alterar e atualizar em todos os dispositivos para garantir sua segurança novamente.

Como são dados extremamente valiosos, no futuro isso pode atrair o interesse de hackers. Ciber criminosos podem direcionar ataques a bancos de dados genéticos com o intuito de adquirir informações que possam ser usadas em fraudes financeiras e ideológicas.

Há ainda vários outros riscos envolvidos no uso de dados genéticos, como marketing direcionado a usuários de drogas, discriminação genética e compartilhamento de informações com órgãos governamentais sem o consentimento apropriado.

O que o consumidor entende como controle

Os consumidores de testes genéticos acreditam que suas informações serão compartilhadas apenas com sua permissão, por isso estão mais suscetíveis a participar de pesquisas e compartilhar seus resultados com a família, médicos e comunidades online de saúde.

As empresas podem mudar seus termos de uso de informação a qualquer momento e isso pode ter um grande impacto na maneira como usam os dados.

Só por que os clientes acham que têm controle, não significa que eles de fato tenham.

Segurança de dados é fundamental

Apesar de todos os riscos envolvidos e de possíveis mudanças nas políticas de privacidade, a maioria das empresas entende que a segurança de dados e a preocupação com a privacidade são essenciais.

A maioria sabe que o monitoramento dos direitos de acesso aos dados é algo que pode ser implementado – apenas quem precisa ter acesso aos dados vai ter.

Afinal, como os consumidores não têm controle de seus dados, cabe às empresas se responsabilizar por isso e tomar as decisões certas sobre como as informações serão usadas.

Com Varonis