Tarefas de segurança cibernética ignoradas

Usado para planejamento estratégico, melhoria de processos e para conhecer os clientes, os dados são tão importantes quanto os outros recursos de uma empresa, como funcionários e estoque. Você poderia até dizer, os dados são ouro. Esses dados de ouro também estão com sua demanda em alta por empresas concorrentes e indivíduos mal-intencionados que podem lucrar com o roubo e a venda de segredos comerciais.

Com a importância e abundância de dados disponíveis hoje, as apostas de não ter um programa abrangente de segurança da informação em vigor são maiores do que nunca.

É importante que a segurança cibernética seja priorizada em todos os níveis de indivíduos em uma organização. As informações abaixo trazem dicas para os funcionários em todos os níveis de uma empresa fiquem atentos e gerenciem riscos em um mundo conectado e orientado por dados.

Tarefas que não podem ser ignoradas
É importante que as empresas protejam seus dados em todos os níveis da organização. Para isso, algumas tarefas precisam ser priorizadas:

  • Para o CEO
    Mais de 53% das empresas já sofreram, pelo menos, um ataque nos últimos doze meses. Dessa forma, os líderes sêniores precisam impor treinamentos em segurança cibernética em todos os níveis da empresa, atribuindo recursos à área de segurança e detalhando um plano de resposta para lidar com situações de vazamentos e tornando-o público.

    É preciso entender o risco financeiro de um vazamento de dados, que devem ser priorizados pelo impacto financeiro que podem causar. Criar um registro de risco cibernético é uma atividade que deve envolver os executivos da empresa. Assim, a segurança cibernética deve ser prioridade para qualquer empresa, com a criação e divulgação de métricas a fim de rastrear os esforços de segurança.

  • Para os executivos
    Executivos responsáveis pela alocação de orçamento devem direcionar fundos para gerenciar ameaças de segurança cibernética e buscar por novas tecnologias disponíveis. Devem, ainda, participar de conferências de segurança para conhecer novas práticas para o setor.

    Esses executivos devem envolver o pessoal técnico na análise e aquisição de novas soluções antes de fechar um negócio. Além disso, devem prestar atenção ao comportamento de seus funcionários – 70% dos incidentes de segurança é resultado de vulnerabilidades internas – e desencorajar o uso de dispositivos da empresa fora do ambiente de trabalho.

    Outra estratégia é incentivar o bom comportamento dos usuários finais com o objetivo de mitigar possíveis riscos. Ofereça feedbacks positivos e incentivos para engajar os funcionários em caso de não haver incidentes de segurança ou pela descoberta de ameaças.

  • Para os profissionais de segurança
    Tomadores de decisão devem equilibrar a transparência das informações com o risco de exposição de dados. Para evitar problemas deve-se remover contas obsoletas e implementar VPNs sempre que possível. Da mesma forma, é necessário limitar o acesso aos dados. Limite o acesso do usuário classificando os dados de acordo com seu nível de confidencialidade.

    Facilite os processos de segurança da informação para os usuários finais. Processos que atrapalhem os negócios ou exijam trabalho extra serão ineficazes e rejeitados pelos funcionários. Procure automatizar as melhore práticas de segurança e adicione um “remova todas as contas” à lista de atividades a serem concluídas quando um usuário deixar a empresa.

Vimos que cabe ao CEO priorizar a segurança cibernética e a proteção de dados em nível organizacional. Os gerentes responsáveis pela alocação do orçamento devem tomar decisões sobre como alocar os fundos da empresa para gerenciar ativamente as ameaças de segurança cibernética. Profissionais de segurança devem ser tecnicamente experientes e considerar riscos fora das varreduras comuns.

A lista de tarefas que fornecemos destaca a importância de os indivíduos trabalharem em equipe para proteger os dados. Não é apenas o emprego de uma pessoa.

À medida que novas tecnologias emergem e mais dados são disponibilizados para as empresas, os cibercriminosos terão novas motivações e novas ferramentas à disposição para tentar se infiltrar nos dados corporativos. As organizações precisam priorizar a segurança cibernética, investindo em tecnologia de proteção e recursos se quiserem ficar no topo da batalha contra os criminosos. Há muito em jogo para não investir em segurança.

A maioria dos vazamentos de informação tem um fator em comum: funcionários.  Mais de 30% dos clientes Varonis relataram que detectaram ameaças internas ou malwares. Faça nosso teste gratuito e saiba o que a Varonis pode fazer pela sua empresa.