Transforme seus funcionários em ativos de segurança

Sua organização pode contar com as mais inovadoras soluções de segurança da informação, com os melhores parceiros, mas, se os seus funcionários não atuarem como ativos de segurança, todo o seu investimento pode não ser suficiente para barrar os ataques cibernéticos de hackers. Por isso muitas empresas, sem deixar de lado a tecnologia, agora estão prestando mais atenção ao elemento humano na hora de implantar estratégias para combater as ameaças internas.

 

Seus funcionários podem até estar conscientes da ameaça à segurança dos dados que os ataques de phishing representam, mas será que eles realmente não clicam nos links, não se deixam levar pela curiosidade?

 

Então, como mudar o comportamento das suas equipes e fazer com que elas se tornem verdadeiros ativos de segurança? Executar exercícios sobre os ataques de phishing é o ponto de partida. Mas o principal é fazer com que cada pessoa na organização desenvolva um “sensor de alerta”, aproveitando a capacidade que todos nós temos de reconhecer situações perigosas.

 

A partir daí a empresa deve implantar meios para que os funcionários possam relatar rapidamente e com facilidade qualquer coisa que considerem estranha. Assim, a área responsável pela segurança pode identificar anormalidades que trafegam pela rede, gerando inteligência de ameaças em tempo real.

 

E quanto mais você incentiva esse “sensor de alerta” mais seus funcionários se sentem motivados a compartilhar mais informações no momento em que identificam uma possível ameaça, ao invés de falarem apenas quando são lembrados do assunto. Com a gamificação, você cria um novo tipo de comportamento, onde eles entendem não apenas o problema, mas também o valor dos dados.

 

Isso não quer dizer que você vá transformar todos os seus funcionários em especialistas de segurança, e sim mostrar que cada um pode desempenhar um papel importante como um ativo de segurança. A ideia não é deixar a tecnologia de lado, e sim capacitar seus funcionários para que eles possam ajudar a manter a segurança e identificar potenciais ameaças, em vez de simplesmente as ignorar.

 

Saiba como se prevenir de ameaças internas com ferramentas de Análise de Comportamento do Usuário