Três desafios de segurança para o trabalho remoto ao redor do mundo

            Diante da pandemia do novo coronavírus, muitas empresas encontraram no trabalho remoto a possibilidade de continuar com suas atividades chave funcionando e de reduzir os impactos financeiros no negócio. Porém, essa modalidade de trabalho tem a característica de abrir portas e oportunidades para invasões virtuais. Ou seja, o ataque cibernético, que já era um desafio para as equipes de segurança, tornou-se uma das prioridades a serem combatidas em 2020.

            Uma das grandes preocupações é com relação aos ataques via phishing, ou seja, o envio de e-mail com links maliciosos que roubam informações do usuário ou permitem a invasão da rede. A partir do momento em que o hacker adentra o ponto de acesso, ele pode se mover lateralmente até encontrar sistemas, dados e aplicativos que valem ser explorados e escalados. Outra questão preocupante é que, por longo tempo, as empresas confiaram muito de sua segurança na VPN, porém com a transição para a nuvem os usuários realizam menos acessos pela rede corporativa.

            Assim, esses dois exemplos já são suficientes para entendermos por que o trabalho remoto repentino ao redor do mundo está deixando equipes de segurança inquietas. Portanto, há três pontos que devem ser destacados e que ajudam a reduzir ataques como os citados anteriormente e muitos outros:

Três principais desafios do trabalho remoto ao redor do mundo

Escolher o produto certo para acesso remoto

Como já citamos, a VPN é utilizada amplamente para garantir a segurança da conexão entre o colaborador remoto e a rede da organização. Porém, ainda que durante a pandemia o uso global de VPN tenha aumentado 67%, outras soluções de acesso remoto seguro podem ser analisadas, como a Cloud Access Security Broker (CASB) ou a Zero Trust Network Access (ZTNA). Assim, alguns pontos que devem ajudar a tomar essa decisão dizem respeito ao usuários e suas funções na rede, que tipo de equipamento está sendo utilizado, onde o usuário está localizado e que tipos de aplicações e dados precisarão ser acessados pela equipe.

Avaliar os riscos de o colaborador utilizar seu próprio equipamento para trabalhar

Visto que o estabelecimento do trabalho remoto devido à pandemia do novo coronavírus se deu de forma repentina, muitas empresas tiveram que solicitar aos colaboradores que utilizassem seus próprios equipamentos para exercer o trabalho a partir de casa. Porém, a segurança fica altamente comprometida e algumas medidas podem ser tomadas para promover melhorias, tal como criar uma área de trabalho virtual nos computadores. Contudo, o mais seguro ainda seria providenciar equipamentos institucionais para todos esses funcionários. É um investimento alto, mas que eleva exponencialmente a segurança.

Desenvolver uma política simples e objetiva de trabalho remoto

Caso sua empresa ainda não tenha uma política de segurança para o trabalho remoto, esse é o momento de preparar. Deve ser um material objetivo e direto, que deixe claro ao colaborador as medidas de proteção que devem ser tomadas, a importância de trabalhar com segurança e as responsabilidades e direitos de cada um. Aqui é importante incluir diretrizes de trabalho com equipamentos da organização, bem como dispositivos próprios. Por fim, deve conter uma lista de contatos a serem acionados caso precisem de ajuda em qualquer configuração ou se desconfiarem que sua máquina e acesso estão sob ataque.

            Por fim, é importante reforçar que a empresa precisa educar o colaborador a respeito das invasões e que ele entenda que mesmo com todos os esforços da equipe de tecnologia de informação e segurança, nenhuma organização está 100% blindada de cyber ataques. Assim, também é sua responsabilidade promover a proteção de dados e acessos a partir de sua máquina. Se tua empresa busca soluções para evitar que os invasores se aproveitem das brechas criadas pela pandemia, fale com nossos especialistas e proteja seus dados, redes e acessos de forma profissionalizada.